Boa notícia para nossas cooperativas de crédito – Aprovado PL100/2011.

Mais força para o Cooperativismo. A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (28) o Projeto de Lei Complementar (PLP 100/2011) que dispõe sobre o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo e possibilita às cooperativas de crédito captarem depósitos e concederem crédito aos entes públicos municipais.

Integrante da Diretoria da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), o deputado federal Evair de Melo (PV-ES) é um dos principais defensores da proposta e, desde 2015. O projeto de iniciativa do deputado Domingos Sávio (PMDB-MG) permite aos municípios a manutenção da folha de pagamento de servidores, movimentação financeira e outras atividades em cooperativas de crédito.

“Realizamos audiência, pronunciamentos e debates em Comissões porque trabalhamos para tornar o Cooperativismo mais competitivo, respeitado e admirado pelo papel que desempenha na sociedade”. informou o parlamentar. Em cerca de 10% dos municípios brasileiros, não há presença dos bancos oficiais (federais e estaduais) e a cooperativa de crédito pode ser a única instituição financeira existente na ‘praça’.

De acordo com Evair de Melo, o cooperativismo tem cumprido papel importante nesse período de crise, “vem se consolidando e tem regras claras que preserva a comunidade”. Evair é o autor da emenda que autoriza as Cooperativas e os bancos controlados por elas a realizarem também a gestão das disponibilidades financeiras do Serviço Nacional do Cooperativismo (Sescoop).

O segmento é composto por dois bancos cooperativos (Bancoob e Banco Sicredi) e quatro grandes sistemas de cooperativas de crédito (Sicoob, Sicredi, Unicred e Confesol), cada qual com suas especificidades organizacionais e com diferentes áreas de abrangência territorial.

Com a aprovação, o projeto segue para o Senado.

Segundo o Diretor Presidente do Sicoob Credipar Gilberto Moraes, “essa conquista é muito importante para cooperativismo, e significará uma nova etapa do desenvolvimento do nosso sistema. Porém, não podemos nos iludir, pois todo bônus carrega em si o ônus, e certamente as exigências legais serão proporcionais. Estamos no caminho para a consolidação do cooperativismo financeiro no Brasil.”